terça-feira, agosto 15, 2006

desertos e SELISIGNO

A seca esturrica
vivemos num deserto diário
quando olho as fotos antigas de Londrina
[guardo em minha memória todo o acervo da cidade com o qual convivi diariamente por 11 anos] e vejo as árvores centenárias, a mata que habitava estas paragens, choro
a dor vem do fundo, bem fundo, como memórias do lugar que nem mesmo conheci mas do qual herdei o espírito
matas densas de perobas rosas, palmitos e outras grandes que moravam aqui
o pouco que resta, em meio a esta seca estonteante, estão derrubando
com uma gana que me assusta
já faz mais de mês que diariamente ouço, das 7 da manhã às 19 hrs, o ronco das moto-serras
insanamente
derrubam, cortam, podam, arrancam
tudo que podem e o que não podem também

não bastasse o vizinho, ontem passei num vale perto daqui, um fundo de vale que tem um riacho
lindo, ainda que poluído
a administração pública também corta e acaba com as lindas árvores

tudo fica rígido, árido, sem verdes, sem copas, sem sombras
será que as pessoas pensam que a água vai brotar da terra seca e de almas insanas?

abaixo um texto de Karen Debértolis que também sofre com o som das moto-serras
postado hoje em seu blog

Lullaby (um texto singelo)
por Karen Debértolis

Os dentes afiados da moto-serra perfuram os ouvidos às oito horas da manhã denunciando a sanha irracional do vizinho. E parte em pedaços os braços espalhados da jaqueira e da santa bárbara e da peroba cinqüentenária e dos flamboyants senhores de si. Um cheiro de seiva/sangue espalha-se pelos ares dos arredores. Quarteirões de madeiras se empilham numa variação entre o marrom o cinza a cor de carne de árvore. Os passarinhos já se mudaram para cá. O vizinho quer limpar as folhas verdes quer varrer qualquer vestígio. O vizinho está retirando as raízes limpando a área preparando a cova mas vai ser bem rasa.
Ali ele vai semear a sua ignorância.


****

A ESTALAGEM DAS ALMAS NO SELISIGNO


Neste dia 17 de agosto (quinta feira), a partir das 21h, na sala 104 do Centro de Letras e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Londrina, tem lançamento do livro no V Selisigno, evento do departamento de Letras Vernáculas e Clássicas.
Vale conferir também a apresentação da fotógrafa Fernanda Magalhães na Sessão de Comunicações do evento no dia 16 (quarta feira), a partir das 16h30, na sala 105 do CLCH. Ela irá falar sobre a questão do tempo na produção do fotógrafo franco-esloveno Evgen Bavcar.

Para mais informações sobre o evento:
Departamento de Letras Vernáculas e Clássicas / Contatos: (43)33714428 ou selisigno@uel.br

2 comentários:

Anônimo disse...

Ola!!!

Gostaria de saber como faço para incluir um link no site?

Aguardo.

Jéssica Amaral - Imoveis Curitiba
jessica@midiadigital.com.br
(41) 33565683

Fernanda Magalhães disse...

olá Jéssica, se você quer postar um link neste blog você deve enviar aqui para os recados que ele será analisado e depois, se tiver proximidade com os assuntos abordados pelo blog, então será linkado por mim.
abraços e obrigada por sua visita