sexta-feira, outubro 06, 2006

A Tipografia

A tipografia da rua Mato Grosso ficava bem onde hoje é uma casa de tintas. Ao lado tinha a churrascaria Campo Grande. Na esquina a concessionária de carro Mayrink Goés. Era um grande barracão que descia até o meio do quarteirão. Em níveis. Descendo a escada tinha um quartinho onde era o laboratório fotográfico. Era grande o laboratório, pelo menos aos meus olhos. A luz vermelha - e na bacia ele foi me mostrando aquelas imagens aparecendo na banheira com químicas. Aquele cheiro do ácido acetico, aquela imagem surgindo, aquele momento foi tão especial. Imediatamente soube.
Eu corria por aqueles barracões. Abaixo da escada e do laboratório tinha a grande guilhotina. Nossa, não cansava nunca de ver. A lâmina descendo. Sempre pensava que podia degolar alguém ou tirar uma tampa de dedo. Era fascinante ver. Vinha afiada. Num golpe só.
O ultimo barracão tinha as grandes mesas de tipos. As famílias todas. Eram lindas as mesas, as gavetas, os tipógrafos montando. Tinha ainda as furadeiras e os muitos armários, pilhas de papel, pedras peso, livros, jornais, colas, prensas, o balcão da entrada, os mostradores de livro, as cadeiras, a sala de dar aulas do Tio Eli, os fundos onde morava o Tio Marcial ...
Nas noites meu pai comprava leite de saquinho e fazia copos de papel sulfite.

A fotografia é tudo isso e mais. Nasceu ali, se mostrou, foi desvendada. Esta possibilidade das imagens surgirem do nada, submergirem da invisibilidade. Emergir.

Um comentário:

Luana Memê disse...
Este comentário foi removido pelo autor.